Cannabis no Japão – parte II: Minha experiência com cannabis em Tóquio

Cannabis no Japão – parte II: Minha experiência com cannabis em Tóquio

By In Blog

O forte proibicionismo vigente no Japão leva a um acesso difícil à cannabis. Morando em Tóquio, tinha um amigo que cultivava em casa, na beira mar. Foi a primeira vez que vi realmente uma planta de maconha, mas até então não sabia direito os potenciais ou até mesmo efeitos da cannabis.

Não havia muita informação e, se você quisesse comprar, o valor era muito caro (1 grama de maconha custava em torno de US$ 50), isso reflete todos os riscos envolvidos na venda e posse.

Por outro lado, a maconha sintética (também conhecida como ‘’spice’’ no Japão) – que não é regulamentada, nem prevista na legislação – tinha um acesso mais fácil. Você poderia encontrar spice para comprar na rua, por um preço bem mais barato do que a maconha.

Isso é um reflexo da repressão e proibicionismo dos usos recreativos. A demanda sempre vai existir, mas o acesso acaba recaindo sobre produtos de baixa qualidade e caros! Isso é bastante problemático, porque acabam consumindo produtos sem procedência, e a própria maconha sintética causa efeitos colaterais graves.

Minhas primeiras descobertas sobre o potencial dessa planta foram em uma Marcha da Maconha em Tóquio, em 2012.

Lembro que havia um ‘’foodtruck’’ com CBD, com um grande frasco que continha esse canabinóide e um papel onde se lia ‘’Conheça o CBD’’. A princípio, fui como curiosa experimentar, mas hoje vejo como é importante educar a população não apenas sobre o canabidiol e seus potenciais terapêuticos, mas sobre a planta como um todo.

Nessa primeira Marcha que participei, havia apenas 18 pessoas. Mas assim que começamos a sair da concentração, que era em um parque, próximo ao foodtruck de CBD, começaram a surgir mais pessoas: tanto pessoas militando pela cannabis, quanto pessoas de movimentos contrários (anti-canabistas, anti-imigrantes).

Comecei a me dar conta da força da mobilização em torno dessa planta, que envolve muitas esferas.

Não demorou até a polícia chegar, mas para manter a ordem, a mídia também cobriu todo o ‘’evento’’. Apesar da repressão sobre os usos da maconha, a Marcha não foi interrompida, na verdade foi ganhando força. No início éramos em 18 pessoas, depois 20, depois 100… Quando chegamos ao bairro de Shibuya, começou a tocar Bob Marley e entendi como a cultura canábica é abrangente e, apesar dos preconceitos em torno da planta, existe uma comunidade mundial a favor dessa planta.

Hoje em dia, os usos medicinais da cannabis têm ganhado relevância no Japão, mas foi nessa Marcha da Maconha de Tóquio que entendi como essa planta pode ajudar a população do país e a real abrangência que o movimento canabista tem.

Existe muita depressão e altas taxas de suicídio no Japão, o que percebi enquanto morei lá é que, ao mesmo tempo em que essas questões psicológicas são fortes na população, não existe muito apoio terapêutico.

É nesse sentido que vejo como a cannabis medicinal tem muito a ensinar e ajudar a população japonesa. Como uma alternativa aos medicamentos convencionais, mas também como o suporte terapêutico que pode beneficiar milhares de japoneses.

Mas isso se torna difícil por conta do estigma que existe em torno da planta, apesar dos avanços no campo medicinal, a planta ainda é vista com muito preconceito. Com a minha experiência na Marcha da Maconha percebi isso: a procura pela cannabis é grande, mas a repressão também é grande. Foi só quando vim para o Uruguai que comecei a conectar mais os pontos e entender, de fato, todos os potenciais e benefícios que essa planta tem a oferecer ao Japão.

Os medicamentos a base de cannabis no país são, majoritariamente, produzidos na Suíça, mas torço para que logo cada vez mais produtos medicinais sejam produzidos no Japão. Afinal, se no passado o cultivo dessa planta era tão natural, por que não retomarmos as raízes da cultura canábica no país?

Estudando a história do Japão, é possível ver como a cannabis faz parte da rica herança cultural japonesa. Talvez seja a hora de recuperar os usos culturalmente aceitos que foram se perdendo com o proibicionismo ao longo dos anos. Ao reconhecer esse passado, espera-se que a cannabis possa integrar o futuro do Japão a longo prazo.

Referências:

INTERNATIONAL ASSOCIATION FOR CANNABINOID MEDICINES. Legal aspects of marijuana use: Country Report – Japan.

JAPANESE LAW TRANSLATION. Cannabis Control Act.

SECHAT. Japão pretende criminalizar o uso adulto de cannabis.

SWITZERLAND GLOBAL ENTERPRISE. CBD in Japan.

THE CANNIGMA. Cannabis laws in Japan: is weed legal?

TOKYO WEEKENDER. The Secret History Behind Japan’s Cannabis Control Act.

WE BE HIGH. Tokyo, Japan.

 

Like:

Leave Your Comments